domingo, 30 de maio de 2010

Asteya. Integridade


Asteya quer dizer "não roubar". Integridade, é o terceiro Yama, preceitos éticos preconizados por Patanjali que orientam o nosso comportamento em relação a nós mesmos, aos outros e ao mundo exterior.

Asteya é não se apropriar do que não lhe pertence. Não roubar objetos materiais e nem idéias alheias.

B.K.S. Iyengar, introdutor do Hatha Yoga no ocidente, em seu último livro "Luz na Vida", cita Asteya e amplia o seu sentido:

"Na infância aprendemos a não pegar ou roubar os brinquedos de outras crianças, mas não roubar pode ter muitas outras implicações. Acaso não roubamos quando consumimos mais do que nos cabe? Não é roubo quando uma pequena parte da população mundial consome a vasta maioria dos recursos do planeta?"

Na natureza, a borboleta se alimenta do néctar da flor sem lhe prejudicar em absolutamente nada.

Namastê!

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Satya. Verdade


Satya quer dizer verdade. Satya é o segundo preceito dos Yamas, princípios éticos preconizados por Patanjali.

Satya é ser verdadeiro com você e com os outros. A verdade deve permear todos os aspectos da vida, do que adianta ter um discurso que parece verdadeiro, porém não agir da mesma forma. Parece aquele ditado "faca o que eu digo, mas não faça o que eu faço". Primeiro temos que ser verdadeiros consigo mesmos, autênticos. Autenticidade é um reflexo de veracidade.

Quando somos sinceros, mesmo não sabendo a verdade sobre um fato, estamos sendo verdadeiros. Um ato sincero vem do coração e faz com que a gente se sinta bem.

Satya é não fingir ser o que não é para se aproximar de alguém, ou para que se aproximem de você.

Satya é não usar a verdade para agredir os outros. Satya deve ser usada de uma maneira respeitosa e amável. Podemos ser verdadeiros buscando as qualidades positivas ao invés de humilhar alguém.

Satya é ser puramente transparente assim como uma folha na luz do sol. Não há nada a esconder, simplesmente a verdade.

Namastê!

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Harmonia e Integração

Ixtapa, México

Quando lemos sobre Yoga sempre nos deparamos com os termos, harmonia e integração. O que exatamente quer-se dizer com isso na vida prática? São palavras sinônimas de Yoga. Estar num estado de harmonia e integração, ou na linguagem do Yoga, estado de Samadhy, parece que é algo intangível, só para grandes gurus. Ainda mais para nós, "seres normais" que temos uma vida atribulada e cheia de compromissos. Mas na verdade não é tão difícil assim, basta realmente querer ir ao encontro de momentos de paz. A prática do Yoga nos abre um caminho possível para usufruirmos de pequenos "Samadhys" na nossa vida.

Um bom momento para se dar conta disso, é contemplar um lindo entardecer na praia. É uma experiência que nunca esqueceremos. É sempre única e especial.

Momento que podemos observar o mundo a nossa volta e perceber que estamos inseridos, que fazemos parte deste cenário de pura beleza. Sentimos a areia da praia que se amolda confortavelmente no corpo, tornando a posição estável. É o elemento terra que nos acolhe. `A frente, uma imensidão azul, a presença do elemento água , que nas ondas se movimenta com fluidez. O pôr do sol, intenso e grandioso, nas nuances das cores amarelo, laranja e vermelho, que se mesclam. É a energia do elemento fogo que se espalha no céu. O ar é fresco, suave, da brisa que vem do oceano.

Explore este momento através dos seus sentidos. Observe, contemple. Respire e traga para dentro de você, prana, energia vital que está no ar. Sinta o cheiro do mar. Ouça os sons a sua volta. Barulho do mar e dos pássaros. Esteja completamente presente e usufrua deste momento de paz. Isto é harmonia, integração, Samadhy. Isto é Yoga.

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Somos Todos Um.

Quando tiver 10 minutos, veja este documentário da BBC. Fez total sentido para mim. Boa reflexão.


segunda-feira, 17 de maio de 2010

Pensamento do dia.

"Não existe um caminho para a felicidade. A felicidade é o caminho."

Mahatma Gandhi

domingo, 16 de maio de 2010

Ahimsa. Não-Violência.


" A primeira condição da não violência é justiça integral, em todos os departamentos da vida." Mahatma Gandhi

Ahimsa quer dizer "não-violência". É por aí que o Yoga tem início, na total cultura de paz.

Um exemplo da humanidade que cultivou a paz foi Mahatma Gandhi, grande líder pacifista. O seu movimento pacifista era o seu próprio método, a resistência passiva. E foi assim que conseguiu, através da "não-violência", a independência da Índia.

Ahimsa, é o primeiro dos cinco Yamas, regras de conduta ética, preconizadas por Patanjali, no seu caminho de oito partes. Os outros quatro Yamas são: Satya (ser verdadeiro), Asteya (ser íntegro), Brahmacharia (controlar os impulsos), Aparigraha (desapego). Antes da prática física, dos asanas (posturas), o praticante de Yoga deve cultivar estes princípios básicos.

Ahimsa é não ter nenhum pensamento, ação ou reação violenta. A não-violência com pessoas, vida animal e vegetal. É o respeito a si próprio na sua vida e que se estende para a sua prática. Sempre respeitar os limites do seu corpo, não ultrapassar o seu limite.

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Asana. Interpretando Patanjali.


Patanjali foi quem codificou o Yoga por volta do ano 200 AC. Seu tratado é considerado a base filosófica fundamental do Yoga clássico ou Raja Yoga. Patanjali descreve os 8 caminhos do Yoga para se alcançar o objetivo final, Samadhy. Ele fornece os fundamentos de todas estas etapas com pequenos versos ou sutras, onde cada um é consequência do anterior. Inicia com Yamas e Nyamas (regras de conduta ética), Asanas (posturas), Pranayama (exercícios de respiração), Pratyahara (abstração dos sentidos), Dharana (concentração), Dhyana (meditação) e Samadhy (integração).

Os asanas, são a terceira etapa deste caminho de oito partes. Quando Patanjali descreve asana, diz que o que caracteriza uma postura é: " Sthira sukham asanam". Traduzido por "asana deve ser estável e confortável".

Além de estável e confortável, o que mais estas palavras significam?

Sthira, estável, pode ser traduzido pelos seus sinônimos: firme, sólido, imóvel, resistente, seguro, constante, persistente, determinado, imperturbável, forte e vigoroso.

Sukham, confortável, pode ser traduzido também pelos seus sinônimos: cômodo, sereno, tranquilo, suave, desprendido e relaxante.

Asanam é o plural de asana em sânscrito.

Patanjali destaca, no verso seguinte que uma vez nesta condição, podemos manter a mente no infinito. Dessa forma, percebemos que todos os asanas devem ser praticados de uma forma tranquila e calma, ou seja, sem agitação ou perturbação. É possível meditar na posição.

Para vivenciar este conceito, escolha um asana que lhe permita permanecer nele por um tempo indefinido e faça a sua interpretação pessoal de estabilidade e conforto. Experimente meditar na posição.

Boa prática!

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Panda. Espécie ameaçada.


O Panda-gigante, este urso dócil, tímido e pacífico, que vive na China, é o maior símbolo da luta pela preservação das espécies no mundo. Só se alimenta de diferentes espécies de bambu, está ameaçado de extinção. Sofre com a destruição de seus hábitats naturais e por ter baixa taxa de natalidade. É notícia do jornal O Estado de S. Paulo de hoje. Que triste, não? É um animal totalmente da paz, seus movimentos são lentos, suaves e ainda é vegetariano, é praticamente um yogue.

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Surya Namaskar. Saudação ao Sol.

Saudação ao Sol é uma sequência de asanas que aquece, energiza, dinamiza, alonga as pernas e braços, e dá mobilidade `a coluna vertebral. Os movimentos são contínuos, fluidos, cada posição conduz a posição seguinte. Cada posição alonga o corpo de um maneira diferente, expandindo e contraindo o tórax, regulando o ritmo da respiração.

Fazer Surya Namaskar próximo `a natureza, voltado para o sol, é uma reverência. Experimente!

Ao fazer a Saudação ao Sol, mentalize, o seu Manipura Chakra, centro de energia localizado no plexo solar (um pouco abaixo do seu umbigo), receba a energia do sol. Deixe a energia do elemento fogo, fluir em você. Sol é vida. Sol é saúde. O benefício é mais vitalidade para o seu corpo. É energia na sua vida. Permita que a respiração flua, inspirando e expirando, sentindo o ar entrando e saindo, sincronizando com o movimento do corpo. O movimento é suave, deve transmitir leveza. Leveza do corpo, leveza da mente.

Lembre-se de respeitar os limites do seu corpo, faça no seu ritmo.

Começe de pé, na postura da montanha, com as mãos unidas na frente do peito. Pés unidos e firmes no chão, coluna bem alongada. Atenção no fluxo natural da respiração.


Ao inspirar, elevar os braços, alongando todo o corpo ...


ao expirar faça uma retroflexão, inclinando tronco e braços para trás... uma natural sensação de expansão..


ao inspirar volte o corpo a posição anterior, alongando novamente tronco e braços...


ao expirar, faça uma flexão, solte o tronco para frente, relaxando bem a cabeça...


ao inspirar, alongue a sua coluna e olhe para frente...


ao expirar, solte o corpo novamente para frente, vá flexionando os joelhos, e apoiando as mãos no chão....


leve a perna direita e em seguida a esquerda para trás, apoiando mãos e artelhos no chão... inspire mantendo a posição....


ao expirar, flexione os braços, permanecendo com o corpo paralelo ao chão... ou numa versão mais suave, apoie os joelhos, o tórax e o queixo no chão...


ao inspirar, vá estendendo os braços, apoiando a pélvis no chão e fazendo uma retroflexão, expanda-se novamente...


ao expirar, eleve o quadril e permaneça na postura do cachorro olhando para baixo. Permaneça por duas respirações. Na próxima inspiração, aproxime os pés (um de cada vez) em direção as mãos...


ao expirar, faça uma flexão, solte o corpo (se precisar flexione um pouco os joelhos)


ao inspirar, eleve o tronco e os braços...


ao expirar, volte a posição inicial, com as mãos unidas em frente ao peito. Observe o seu corpo e o ritmo natural da respiração. Recomece...


Faça alguns ciclos, e se estiver próximo ao mar, rio ou lago, mergulhe no elemento água. Se harmonize com os elementos da natureza.

Namastê!

domingo, 9 de maio de 2010

Dia das mães no mundo animal.

Imagem National Geographic

A natureza é essencialmente maternal. A mãe leoa é muito dedicada com os seus filhotes, cuida, protege, alimenta, ensina......quando sai para caçar deixa os seus filhotes com outra mãe, que cuida e até os amamenta. Sob o cuidado de várias leoas, não há como o filhote ficar desprotegido enquanto a mãe busca alimento para o grupo. Homenagem ao dia das mães.

Parabéns mamães de todas as naturezas!

sábado, 8 de maio de 2010

Reflexão II. África. Respeito com a vida animal.

No ano passado tive a oportunidade de conhecer a África do Sul, mais precisamente o Kruger National Park. O Kruger Park é uma das mais antigas reservas naturais da África. Fiz o tradicional safari fotográfico. Para os amantes da natureza e dos mamíferos é uma experiência inesquecível. São momentos de intensa conexão com a vida animal.

A savana africana é um pequeno oasis no planeta, onde ainda se preserva a vida selvagem na sua biodiversidade. É um lugar para se cultivar o silêncio e a observação.

O cenário é formado de uma vegetação rasteira, com a presença espalhada de árvores de pequeno porte e arbustos, com áreas de vastas planícies. Neste cenário se mesclam os seus habitantes, elefantes, girafas, zebras, leões, rinocerontes e muitos outros. Só é possível ver os animais bem cedo pela manhã, e ao final da tarde até inicio da noite quando a temperatura é mais amena. Os animais descansam nas horas mais quentes do dia. Você circula com uma van aberta que te proporciona uma visão de 360 graus. O guia que te conduz geralmente é uma pessoa local e que através da observação conhece profundamente como funciona a vida neste lugar. A única coisa que você faz é apenas observar, não pode interferir em absolutamente nada. Observa a vida animal na sua essência, na natureza. É uma boa prática meditativa.

Este pequeno mundo é regido puramente pela lei da sobrevivência. São as necessidades mais básicas, como se alimentar, descansar e se reproduzir, que são as fundamentais pois preservam a vida. É a energia do chakra Muladhara na sua essência.

É surpreendente como há paz, somente Ahimsa, a não violência. Existe uma harmônia pacífica entre as espécies. O leão, conhecido como o rei dos animais, o grande predador, no seu habitat está mais para o "Simba" do filme da Disney. Não mata por matar, só caça quando precisa se alimentar e come somente o que precisa, o resto ele deixa para outros pequenos predadores. São os felinos mais sociáveis. Um grupo pode chegar até 40 animais, na maioria fêmeas. O impala, sua presa fácil, tem uma visão aguçadíssima e em grupo se protegem ou ficam próximas dos rinocerontes que são uns mastrodontes e que por sua vez não enxergam bem. As zebras, marcadas com suas riscas que servem como camuflagem contra os predadores que se confundem quando o grupo se movimenta. As girafas, com a sua índole pacífica e inofensiva, com suas longas pernas correm em alta velocidade em situação de perigo. Os elefantes estão sempre em família e se ajudam uns aos outros. E por aí vai. Existe uma natural cooperação e respeito. Todos convivendo harmônicamente em prol da preservação da sua espécie.

É tudo muito intenso e ao mesmo tempo suave. É tudo muito feroz e ao mesmo tempo belo. É tudo integrado, animais, a natureza e o homem que respeita e preserva.

É integração. É totalmente Yoga!









sexta-feira, 7 de maio de 2010

A essência das posturas.


Asana (postura do Yoga) quer dizer assento e sua principal característica deve ser a permanência em uma condição de conforto e estabilidade, dois atributos fundamentais. Ao executar um asana, seja qual for - desde uma torção até uma postura de equilíbrio - se você estiver estável e confortável, é possível aquietar a mente. Quando fazemos as posturas com a mente quieta, tranquila, com o foco da atenção no corpo, estaremos realizando um asana. Se a mente estiver dispersa, estaremos fazendo uma simples pose. O importante é ter consciência do corpo durante a realização do asana, estar com a atenção no momento presente. Aí poderemos, através da observação do corpo, buscar o alinhamento correto, fazer ajustes necessários para que haja conforto e estabilidade na posição.

Aqui vão algumas considerações para estar sempre estável e confortável nos asanas:

1- As posturas devem ser feitas lentamente. O movimento deve ser lento para construir a postura, para desfazê-la e na sua transição para a postura seguinte. Tudo feito de uma maneira tranquila, agradável, sem pressa.

2- Nunca forçar demais o corpo. Fazer o máximo que você consegue, mas sempre respeitando os limites do corpo. Se você não consegue ainda colocar as mãos nos dedos dos pés, vá devagar conquistando o seu alongamento. Vá até onde acha que pode chegar. O alongamento é gradativo, prática após prática. Ou se você não faz uma postura invertida, acha que ainda é muito para você, lembre que asana não é ginástica e nem acrobacia, é conforto na posição. Se respeite sempre.

3- A respiração deve fluir naturalmente. Nunca prenda a respiração ou tente controlá-la de qualquer maneira. A respiração deve ser sempre fluida e tranquila. Você deve ter a consciência da sua respiração durante a permanência no asana e na sua transição para a postura seguinte. A respiração consciente ajuda a manter o foco da atenção no momento presente. Com a respiração consciente observamos melhor a postura e nos beneficiamos melhor dela.

4- Tônus correto. Quanto mais colocamos a atenção na postura, menos esforço desnecessário dispendemos. Deve-se contrair apenas a musculatura solicitada para manter a postura, enquanto outras partes do corpo permanecem relaxadas.

5- Alongamento progressivo. É devagar e sempre que conquistamos o alongamento. Hoje ainda está difícil encostar o abdômen na coxa em posturas de flexão, mas com a prática, o corpo vai cedendo, você vai aprendendo a relaxar e aos poucos você chega lá.

6- A mente presente. A mente deve estar focada no que você está fazendo. O foco da atenção deve estar no corpo e na respiração.

7- A roupa deve ser corfortável.

8- Acessórios são bem vindos. Blocos, bolster, almofada, fita, cadeira, manta, ajudam a manter o conforto e a estabilidade.

9- O local de prática deve ser tranquilo e ventilado.

Boa prática!

Namastê.

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Yoga é Saúde.


A saúde do corpo é algo que se constrõe. É preciso nutrir o corpo, não ingerindo pílulas e remédios que se propõem vender saúde, mas com alimentos naturais, verdadeiramente nutritivos. A alimentação deve ser saudável todos os dias. Alimentação saudável não é algo que você faz alguns dias da semana, deve fazer parte da sua rotina, da sua vida. É assim que adquirimos saúde e nos previnimos contra as doenças.


Exercitar o corpo também é fundamental para manter a saúde. A prática dos asanas, que são as posturas do Yoga, é uma forma inteligente de se adquirir saúde, além da sua ação preventiva contra doenças.

De uma maneira geral, os asanas tonificam e promovem maior circulação sanguínea por todo o corpo. Revitalizam todos os sistemas, fortalecem os músculos, ossos, articulações, deixam o corpo forte, alongado e flexível.

Os movimentos básicos dos asanas são os alongamentos, movimentos da coluna em todas as direções (para frente, para trás, para os lados e torções) e posturas invertidas.

Efeitos Terapêuticos:
As posturas de flexão, curvar-se para frente, estimulam a digestão, aumentam a flexibilidade da coluna dorsal e acalmam o organismo. As posturas de extensão, curvar-se para trás, promovem maior mobilidade e flexibilidade da coluna, alongam e expandem a região toráxica, além de serem revigorantes. As posições de torção ajudam na digestão, na eliminação e tonificam a coluna vertebral, enquanto que as posturas invertidas estimulam o sistema endócrino e melhoram a circulação.

Com a prática dos asanas ganhamos saúde, mantemos a forma, adquirimos um corpo firme e flexível, mas isto é apenas um bom ponto de partida.

O verdadeiro objetivo dos asanas, é ter um corpo forte e sadio para que você possa ir em direção a sua jornada espiritual. Sem saúde do corpo físico é difícil caminhar em direção a libertação, objetivo final do Yoga. O Hatha Yoga enxerga o corpo como um templo, ele é divino e por isso deve ser tratado como tal!

domingo, 2 de maio de 2010

Reflexão I. Desequilíbrio do Homem com a Natureza.


O momento em que vivemos é crucial para a evolução da humanidade. Momento que requer muito mais atenção nestes tempos de crise e transição que o planeta enfrenta. O planeta, macrocosmo, está em desequilíbrio porque o homem, o microcosmo, se desequilibrou.

Os elementos da natureza, que são a essência do nosso planeta, estão sofrendo a ação da violência do homem, que com a sua ganância, destroi e polui o que há de mais puro que nos mantêm vivos e renova a vida.

A vida depende de equilíbrio. A terra, que nos presenteia com seus frutos e flores; a água com seus rios, lagos e oceanos; o fogo com a intensidade do sol que oferece um cenário de luz diferente a cada dia; o ar, energia com a fragrância mais pura da natureza.

O homem se esqueceu que é uma representação da natureza e que a sua sobrevivência e evolução se dão com a sua integração com a ela, essência da vida. O homem há cinco mil anos atrás já tinha consciência de que a sua evolução se daria com o movimento de integração, da união de si mesmo com a natureza.

O Yoga busca um ser integral, corpo, mente e espírito unidos e integrados com a natureza. O Yoga é uma grande fonte de conhecimento milenar que é um caminho para a evolução da humanidade.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...